Não é necessário tomar drogas para criar conceitos totalmente fora da caixa. Mas alguns desenhos têm carência de pé ou cabeça tamanha que fica difícil acreditar que foram concebidos sem a ajuda de substâncias decerto ilegais.  Eis alguns deles:

1) A VACA E  O FRANGO

“Mamãe tem um Frango, mamãe tem um vaca. Papai se amarrou, ele nem se importou “.  Pronto. Isso era o máximo de explicação para o fato da Vaca e o Frango serem irmãos e filhos naturais de dois humanos que só apareciam da cintura para baixo ( talvez fossem parentes da babá do Muppet Babies ).

Cada episódio nos brindava  com um novo tipo de insanidade;  policiais que multavam quem estivesse sem aparelhos dentários, viagens escolares à prisão estadual,  personagens absurdos como o Primo Dessossado ( um frango que não conseguia se mover por não ter ossos ), o Garoto Lesma e a Super Vaca, que era a própria Vaca transformada em super herói cuja língua mãe era o espanhol. Havia ainda os dois amigos imbecis; Flem e Earl  e, claro, o  antagonista da série, Bundifora que era ninguém menos que o diabo, sem calças e super afetada. Um surrealismo de assustar Dalí.

 

Cow and Chicken gif_desenhos chapadoss

Será que o criador tinha obsessão por bundas ?

O desenho contava com um segmento que se emanciparia em série própria: Eu Sou o Máximo. Contava as histórias do Máximo, uma doninha super talentosa e seu companheiro babuíno cheirador de dedo Babão, cuja negligência não conhecia limites. Em retrospecto,  Eu Sou o Máximo me parece  ainda mais insano do que a Vaca e o Frango. Não sei. Preciso ver de novo. Uma coisa é certa. O que quer que o criador David Feiss estivesse fumando, era do bom.

 

2) AEON FLUX

Relacionamentos estranhos. Lugares improváveis. Situações impossíveis. As vezes os episódios pareciam fazer parte de uma sequência. Às vezes pareciam  não conversar um com o outro.  A estranheza do conceito era evidência da insânia dos desenhos. Ou talvez fosse o contrário:

Aeon Flux surgiu em 1992 como parte de um bloco de animação adulta da MTV, a Liquid Television. Na época, não havia nada remotamente semelhante na TV. A atmosfera Heavy Metal da mini série fez tanto sucesso que resolveram expandir para uma série. Nela, um grupo de rebeldes estava sempre querendo explodir e sequestrar coisas e pessoas. Havia também certa putaria velada. Enfim, como disse anteriormente, a história era confusa. Apenas algo secundário para justificar um visual  incrível. Parabéns a Peter Chung para quem até mesmo o Chapeleiro Louco deve tirar o chapéu, se é que me entendem…

 

3)  HORA DA AVENTURA

Sejamos francos pessoal. Esse desenho é uma viagem de ácido do começo ao fim. As cores, os personagens ( Jake é um cachorro hippie de Woodstock ), os roteiros, as piadas, enfim, TUDO neste desenho tem um ar lisérgico fortíssimo. Tenho inclusive, que reconhecer que algumas coisas até me incomodam pois parecem ser a parte ruim da viagem, a famosa bad trip.  Sei. Difícil acreditar  que esse desenho tenha visto a luz do dia. Acho que alguém da Cartoon Network se distraiu ou algo assim. Tanto que na segunda temporada eles já deram uma maneirada.

Não me entendam, mal. O desenho é ESPETACULAR.  Uma das melhores coisas na TV atualmente. Só acho difícil crer que tenha sido originalmente concebido para crianças. Segue um vídeo com os melhores momentos da série. Infelizmente, em inglês. Mas dá para passar uma ideia das situações exploradas nos episódios e sobretudo da atmosfera altamente viajante da série:

 

Adventure Time

 

4) SUPER MOUSE

Não o tradiça, dos anos 30, mas a versão de Ralph Bakshi, dos anos 90.  Essa série chegou chegando, com o pé na porta, deixando todos nós, habituados aos desenhos bem comportados dos anos 80, de queixo caído. Os gráficos eram disformes, os roteiros, dementes e co conceito, anárquico. A série fez sucesso junto a público, crítica e profissionais do meio. Mas tudo veio abaixo quando Super Mouse foi acusado de cheirar pó em um dos episódios. Abaixo, a cena da suposta cafungada:

O mais notável dessa história é que o abalo criado por Bakshi na cena cultural de animação foi tão grande que até hoje as séries de TV bebem nessa fonte.  Bakshi é um desses espíritos livres que fazem o que querem, então, não imagino que tenha restrições a drogas de nenhum tipo.  Aliás, acho que é tão livre, mas tão livre que, para criar conceitos absurdos, nem de drogas ele precisa.

 

5) REN E STIMPY

Um gato e um chiuaua em um relacionamento supostamente homossexual, positivamente destrutivo. O criador, John Kricfalusi trabalhou com Bakshi nas Novas Aventuras de Super Mouse. Sua viagem pode ter vindo de algo que usou, mas acredito que trabalhar com Ralph Bakshi deva resultar em viagem ainda maior.

Segue abaixo uma cena onde Ren perde as estribeiras depois de chegar em casa e ver que Stimpy andou brincando com Sven, o primo sueco de Ren.

Ren and stimpy 01_desenhos chapados

 

Ren and stimpy 02_desenhos chapados

 

Ren and stimpy 03_desenhos chapados

 

Ren and stimpy 04_desenhos chapados

 

 

6) SUPER MILK CHAN

As palavras ” japonês ” e  ” bizarro ” poderiam partilhar a mesma definição nos dicionários. A cultura é tão distante ( temporal  e geograficamente) que parece alienígena. Por isso, tarefa difícil mesmo é encontrar algum desenho japonês que não seja surreal.

Mas se houvesse uma premiação para o mais maluco entre os bizarros, Super Milk Chan sem dúvida estaria entre os finalistas.  A começar pela sinopse: uma super heroína (sem poderes) de 5 anos de idade que mora de aluguel em uma casa no formato de mamadeira com sua criada robô a quem agride o dia inteiro, mais seu animal de estimação Hanage, um alcoólatra em abstinência que não fala nada nunca, mas cujos pensamentos são ditos em voz alta pelo narrador do desenho.

Tem mais, a robô serviçal Tetsuko tem altas crises existenciais por  ser obsoleta (modelo 1982) e por conta de questões não resolvidas com o pai (o cientista que a inventou, funcionário do laboratório de ideias do rei ). A exemplo do Seu Madruga, Super Milk vive fugindo do senhorio, a quem deve inalteráveis 6 meses de aluguel.

Por fim, Super Milk presta serviços diretos para o PRESIDENTE (de tudo que existe) que telefona para Milk sempre na esperança que esta conserte suas c@g@d@$. Milk costuma responder as ligações, ou não, dependendo de seu humor.

Quem conhecer ideia mais insólita, que atire o primeiro LSD.

 

7) TITIO AVÔ

Fiquei em dúvida sobre qual outra pérola demente da Cartoon incluiria da lista, entre este e Apenas um Show, então fui rever os dois e esse ganhou. Disparado.

Difícil encontrar palavras para descrever esse desenho. Tem efeito semelhante a colocar seu cérebro no microondas.  ( nunca coloquei, mas foi a primeira comparação que ocorreu, em quesito desatino ).

A sinopse: Titio Avô é tio avô de todo mundo no mundo inteiro. Se estica, teleporta, multiplica. Entra na casa das pessoas sem ser convidado, geralmente arregaçando a parede com seu furgão, oferecendo ajuda não solicitada. Seus comparsas são uma pochete na qual tudo cabe e a rigor, de onde tudo pode ser tirado. Mais uma lúcida e sagaz fatia de pizza, um dinossauro sossegadão e um tigre recortado em Photoshop que solta arco íris pelo cú. Desculpe o palavrório. É que só de lembrar do desenho já está me dando desatino…

É legal, faz rir, sem dúvida tem seus momentos. Mas não raro nada acontece. Tipo uma droga que não bate, dá barato aqui e ali, mas com direito a bad trip.

Por hoje é só. Logo menos tem mais.

Comentários