O Maior Arrependimento de George Lucas ou; Das Propriedades da Merda

star-wars-especial_1978

Depois do sucesso estrondoso do primeiro filme, enquanto o  ” Império ” não vinha, tentaram matar a ansiedade dos fãs com um especial para a televisão. Abominável. Mas como até a merda tem propriedades, o filme serviu para alguma coisa. Duas, na real. 

Harison Ford chamou de embaraçoso. Carrie Fisher, de horrendo. George desabafou em uma convenção: ” se eu tivesse tempo e uma marreta, sairia a caça e destruiria cada cópia do filme disponível “.  Essas foram palavras do mesmo homem que permitiu produtos como o disco de natal de Star Wars, o livro de receita do Chewbacca, o fazedor de waffles da Estrela da morte e o porta fita adesiva do C3PO.

 

familia-chewbacca_star-wars-especial

Pense em um história centrada em um personagem que não fala, e sua família, que ninguém conhece, ou dá a mínima, festejando um feriado fictício em um planeta whatever.  Alguém na Fox deve ter dormido. Ou batido a cabeça. Ou ambos.

Mas do que dizia mesmo ? Ah, sim… das qualidades da merda. A primeira foi esse segmento em animação, do estúdio canadense Nelvana, inspirado no traço do mestre Moebius. Quando a referência é Moebius, é difícil errar. Embora longe de ser uma obra prima,  é  interessante para a época. E curiosa.  Mais do que  ser a primeira animação de Star War, é curiosa por ter apresentado ao universo Star Wars o cabulso Boba Fett. Aqui é possível vê-lo em ação por mais tempo do que em sua estreia no cinema, em  O Retorno do Jedi.

 

 

A outra coisa que esse filme nos deu, dá, é um retrato de gente de responsabilidade e prestígio derrapando feio na carreira, sobretudo no caso do George ( Harison e Carrie sofreram mais  vergonha alheia mesmo ). Mesmo depois de uma bomba dessas , os três continuaram. Continuam.  Não sei pra vocês, mas uma história de  vergonha e derrota de gente competente,  ajuda muito mais a passar um pano naquele dia péssimo do que mil declarações entusiasmadas da Bel Pesce. Afinal,  nos lembra que estamos todos no mesmo barco.  Ou, como dizia Montaigne:  ” …os reis, filósofos e damas também fazem merda “.

Trabalhando a mesma lógica, o oposto também vale;  o triunfo e a glória não são monopólios dos atores e diretores de Roliúde.

Logo menos tem mais

Ps. segue um link para a ignominiosa produção aqui

 

Comentários