Bartkira; um Clássico do Anime em Versão Simpsons

 

Bartkira_01

Se você ainda não viu Akira, eu acho que você devia parar tudo ir fazer isso agora. Se você ainda não leu o Mangá que o originou, eu exijo que você desligue isso e vá ler essa parada, tipo, ontém.

 

Pois  tudo que posso dizer de Akira é que se trata de um conto pós apocalíptico sobre puberdade, telepatia, guerra de gangue, terrorismo, e é um dos maiores clássicos da animação de todos os tempos. Mas não adianta me estender em texto. Palavras não comportam a maestria da obra.

 

Akira Mangá 01_pg03

 

 

Akira Mangá 01_pg04

 

 

Akira Mangá 01_pg05

 

 

Akira Mangá 01_pg06

 

 

Akira Mangá 01_pg07

 

 

Akira Mangá 01_pg08

 

 

 

Gif_Akira 01

 

 

 

 

Akira gif_02

 

 

 

Akira gif_03

 

 

 

Akira gif_04

 

 

Os seis volumes do mangá foram lançados em 1982, mas a atmosfera futurista e os temas universais tornaram a história um clássico atemporal. É quase impossível imaginar alguém fazendo uma nova versão, releitura, adaptação ou o que quer que seja.

Mas essa nova junção de Akira/Simpsons é tão inusitada e inspirada, que quase chega a ser indispensável.

 

Bart_Kaneda

 

 

 

Bartkira 01

 

Bartkira 02

 

Bartkira 03

 

Bartkira 04

 

Centenas de cartunistas estão colaborando para recriar os seis volumes da obra, quadro a quadro,  mas utilizando os personagens dos Simpsons. O projeto vai rolar até que a série seja reproduzida completamente. Se você desenha e gostou da ideia, pode enviar sua arte para o Tumblr do projeto ( que tem muita coisa muito boa ), ou mandar amostras de seu trabalho para bartkiracommittee@gmail.com, caso queira contribuir para o quadrinho de Bartkira.

Como se o projeto não fosse ambicioso o bastante, um grupo de animadores se uniu para fazer um trailer:

 

 

Se você está se perguntando se isso infringe as leis de direitos autorais, normal; todos os envolvidos têm a mesma dúvida.

Mas do ponto de vista da criação, imagino que tanto Matt Groening quanto Katsuhiro Otomo estejam extremamente lisonjeados. Que criador não estaria ?  A magnitude  e dedicação artstica à parodia beiram o sublime.

 

Logo menos tem mais

 

Comentários