Cinco Coisas Sobre a Caverna do Dragão das quais não nos Tocávamos

10879
55

1. Eric votava no Maluf

 
Ninguém gostava do pobre Eric. Por sua chatice, acreditávamos então. As cores quentes do desenho nos desviavam a atenção do motivo verdadeiro: a luta de classes. As constantes declarações de Eric sobre a fortuna de sua família geravam inveja, desdém ou indiferença entre os outros jovens, claramente representantes do subúrbio classe média . Por hábito ou vingança, Eric não poupava críticas a duendes, homens sapos do Pântano ou quaisquer outros representantes operários ou oprimidos.

Pelos padrões da imprensa brasileira, Eric seria facilmente considerado um reacionário. Pois além do supracitado, preferia pagar propinas, e soluções belicosas, à dilomacia. Sendo um desenho de ação, todos davam os seus sopapos, mas Eric era o único a sugerir o uso ostensivo das forças armadas do governo americano:

Eric não tinha pinta de quem vota no Obama.

 

2. O Mestre dos Magos não era um grande sacana. Só um pouco sádico

 
O ódio pelos enigmas do Mestre dos Magos atingiu um ponto tão alto que chegaram a acusarem-no de ser o Vingador.

Não era. Essa foi uma história que surgiu com a internet, anos depois do desenho ter sido cancelado. Algum fervoroso fã escreveu um suposto fim para a saga e, como a história fez  sentido, e por causa da birra com o anão, a galera abraçou como verdade.

A verdade é que a série foi baseada no jogo de RPG Dungeons and Dragons, e o mestre dos magos ( mestre das masmorras, em tradução literal ) era o equivalente animado do jogador responsável por ditar as regras do jogo. Nesse quesito, o velhote cumpria bem sua função.  Agora,  se o fazia com requintes de perversidade através de enigmas esdrúxulos e truques de sumiço, bom, aí já são outros quinhentos…

 

3. Hank era chegado numa crioula

 
Pois é. A aposta sempre foi que o Hank pegava a Sheila. A série não mostra indício algum disso, o que me leva a crer que nós, moleques, projetávamos em Hank aquilo que desejávamos para nós memos: pegar uma ruivinha ajeitada com uma saia curtíssima ( ou seria aquilo uma camiseta longa? ) Enfim…Hank, pegava mesmo era a Diana. As cenas abaixo comprovam ou não ?

 

 

4. O Demônio das Sombras era bicha

 
Longe de mim fazer qualquer juízo de valor. Afinal, quem dá o que é seu não é desdouro. Mas nem nos passava pela cabeça que o fodástico espião do vingador fosse avesso à fruta oposta.  Claro que  trejeitos duvidosos ou voz afetada não são garantias de viadagem , mas no mundo dos desenhos dos anos 80 não havia nuances. Os personagens ou eram ou não eram alguma coisa. Por isso ao Demônio não resta nem o benefício da  famosa dúvida; ” Será que ele é ? ”
 

 

5.O Presto não era um ( completo ) inútil

 
Há de se dar uma colher de chá para o pobre Presto. Enquanto os outros ganharam arco e flechas lasers, tacapes e mantos invisíveis o coitado ganhou um chapéu. UM CHAPÉU. Mágico, verdade, mas como saber o que ia sair dali de dentro ? Até o escudo do Eric lhe dava alguma banca de guerreiro decente, apesar da covardia. Eu não sei você, mas se eu fosse parar nos cafundó e ganhasse um chapéu para me defender eu ficaria muito, muito puto.

Ainda assim, contrariando todas as nossas lembranças, Presto mandou bem algumas vezes. Bem, talvez só uma. Mas percentualmente, é muito mais do que todos estamos acostumados a lembrar.

 

Este foi o primeiro Top Top. Logo menos tem mais. Se tiver uma boa ideia para uma lista, não hesite em enviar

Até

Comentários