Como Ver TV ? ou; Steve Jobs e a TV do Futuro

1398
0


Gente que transforma programas de Tv em realidade me intriga. Mas gente que nunca trocou a realidade pela Tv me intriga muito muito mais

Por anos, a televisão foi minha melhor amiga, e o controle remoto, a extensão do braço.  Quando menino, era impossível compreender a vida de residentes de outras localidades, onde a Record ou a Bandeirantes não chegava. Fantasiava que gente do interior havia sido mandada lá para cumprir pena, onde só havia dois canais e nenhum passava Corrida Maluca  ou Pirata do Espaço.  Em suma, uma prisão no inferno.

Por falar em prisão,  certa vez a mãe ficou nervosa porque ligaram da escola dizendo que o carcereiro havia me surpreendido assistindo Tv na ” sala do vídeo”, enquanto eu devia estar na enfermaria.  Que mané dor de estômago…foi tudo parte de um ardiloso plano, para que eu conseguisse gravar o especial de cinco partes do G.I.Joe, que passaria aquela semana no  Xou da Xuxa.  Fui suspenso e o escambau, e o diretor me achava tolo pelo feito, não entendendo o porque do risco. Não tive por onde explicar, e não o tenho agora, mas se queres ver a extensão da influência da Tv na minha vida, basta surfar este site.  Se boa ou ruim, você decide.

O canal correto na hora certa sempre foi capaz de informar, entreter e educar mais do que a maioria das pessoas de minha cercania.  Logo, o abuso; TV ao acordar,  antes do mictório, TV ao chegar da escola, antes de almoçar, durante e depois.  Em retrospecto, não lamento o tempo perdido vendo bobagens na TV, porque bobagens as vemos em todo lugar, mas sim o tempo que minha atividade intelectual ficou suspensa.  É este o efeito mais nefasto da TV, ao meu ver, sua capacidade de nos atirar num estágio de inconsciência receptiva, do qual os políticos, publicitários e afins se valem o tempo todo para tentar nos moldarem as ideias.  E não raro, conseguem.

A TV do futuro

Durante a alta adolescência,  assistir à TV só não era melhor do que ouvir os prognósticos sobre seu futuro:  falava-se de  mil canais,  telas gigantescas, som estereofônico,  exibições em 3D até.  Havia algumas apostas que a TV perderia terreno para uma tal de WEB. Porém, não havia aposta nenhuma que a tal web chegaria aos 10 anos de uso cambaleante, e que a TV faria uso dela apenas como mera ferramenta de transição entre sua primeira e segunda encarnação, que começa a ganhar corpo agora. E ninguém apostou que o maior responsável pela revolução seria o Steve Jobs, o então conhecido apenas entre a comunidade nerd por ter criado aquele computador maneiro: o Apple Macintosh

A Web está morrendo, e a culpa é do Steve Jobs.

Há uma diferença entre  WEB e INTERNET. WEB é o protocolo WWW. INTERNET é a rede pela qual os dados trafegam, e essa está mais viva impossível. Que ver só? Usemos como exemplo fulano,   que acorda e usa o aplicativo ( app ) do Ipad para checar suas mensagens. Depois, durante o café , dá uma bisoiada no Facebook, no Twitter e no Estadão. Mais três apps.  No caminho para o trampo, ouve o Nerdcast em seu smartphone, mais um app. No escritório, usa Skype  e LinkedIn,  e à noite, joga  Playstation Online e assiste  Batman, o Cavaleiro das Trevas, no Netflix. Pronto. Fulano passou o dia inteiro na internet, mas não na WEB. Graças aos miraculosos Apps.

Quem inventou o conceito de App? A AppStore, a loja online que vende os aplicativos? O Itunes, o software que gerencia as transações e armazenamento dos mesmos ? É tudo obra do visionário Steve Jobs.  Desde sua morte, muito se falou de como seus  Iphones, Pads, Pods e Macs mudaram nossas vidas.  Alguns outros doentes por animação, como esse que vos escreve, centrou seus obrigados no fato de ele ter criado a Pixar. Mas seja por distração, seja por  falta de visão além do alcance, pouco se disse sobre o verdadeiro legado de Steve:  os pedágios necessários para que a estrada da informação para o futuro, a qual ele também ajudou pavimentar, possa se manter, pois é impossível que esse modelo de “pegar na internet de graça” se sustente ad eternum.

 Eu vejo o futuro:  Steve Jobs, Steve  Jobs e Stev… Cacete! Será que essa p$%*a tá funcionando direito ?

 Com o conceito de app,  AppStore e  ITunes, o senhor Jobs ofereceu uma solução para a comercialização de conteúdo online. Quem já comprou qualquer coisa lá sabe que o negócio funciona. Também percebe que é um serviço que a maioria esmagadora está disposta a usar .  Me pergunto também se com isso, Steve Jobs não plantou a semente que mudará nossa relação milenar com o dinheiro, que deverá ser perto do 100% virtual nalgum  futuro  próximo. Talvez eu esteja errado, mas sinceramente, não é o que diz meu sentido de Aranha.

Tá tudo muito bom, tudo muito bem, mas e a TV ?

Está uma bagunça.  Postei no Facebook uma recomendação de uma série, o Trono de Ferro. Vários me escreveram perguntando onde passa. Foi quando me dei conta da balbúrdia.  Quando menino,  era fácil coordenar o calendário televisivo com um amigo. Hoje, é impossível. Sei lá onde passa. Incrível. Como se assiste à TV virou tema de conversa tanto quanto o  conteúdo da própria; ” eu assisto assim”, ” eu, assado”.

Aqui em casa, quem sofreu muito com esse negócio foi a patroa. Pois eu, nerd e entusiasta das novas tecnologias, me valendo dos plenos poderes de ministro dos eletrônicos do lar a mim conferidos, decidi que não teríamos TV.  Ao invés, ligaríamos a dita cuja a um computador e assistiríamos à internet.   No começo foi difícil; a vergonha ante os amigos nos perguntando ” cadê seu controle remoto? “… O aprendizado do manejo do mouse sem fio na coxa direita… A incompreesnão da sociedade… Mas agora, que  várias das aparentes infinitas maneiras  de assistir TV estão domadas, é só delírio.

Mate sua TV

Além de assistir muita coisa no YouTube e Vimeo, tenho usado o Netflix. Tem minha total simpatia.  Quinze lascas por mês, fácil de usar, funciona de maneira decente e sem comerciais. É na verdade, um site, mas ouço que há novos aparelhos de tv que já saem da fábrica com o app. Opera de forma semelhante à AppleTv, imagino, e ao Itunes e Hulu, que  são todos apps.  Se eu tivesse que apostar no futuro da Tv,  apostaria nesse sistema.

Uso também um tal de  Megacubo para assitir Tv aberta e a cabo. É uma programa que se baixa gratuitamente, enche seu computador de Deus sabe lá o quê, e às vezes  pára de funcionar por obra de sei lá qual Demônio. Mas ainda assim, faz a funça, e me dá a sensação de estar dando uma banana aos gângsteres do monopólio da telefonia e do cabo.  É como o próprio Jobs dizia: às vezes,  é preferível virar pirata do que entrar para a Marinha.

E tenho, claro, um HD de trocentos teras com séries, filmes e desenhos. Muitos desenhos.  Comprados e ripados,  ou achados na rua, depois de terem caído de algum caminhão…

Sei que  também é possível ver TV através do  Playstaion ou Xbox, mas não os tenho por motivos já ditos.

E há, claro, antenas de todo tipo. Nunca usei nenhuma.

A felicidade suprema, contudo, reside em ter finalmente encontrado alternativas às infames Tv  aberta e a Cabo.  A úlltima, pior que a primeira, pois além de cobrar os olhos  por conteúdo ruim, tem ainda uma quantidade obscena de comerciais.  O que permite tal alternativa são os benditos apps de Steve Jobs.  Fica aqui meu segundo agradecimento à grande contribuição deste à minha vida.

E para fechar,  qual outra senão a animação do Senhor Tex Avery sobre a TV do Amanhã, de 1953 ? Piadas a parte, quem imaginou que decidir como assitir Tv seria tão difícil ?

Comentários